Skip to content

Ouro Coloidal

Ouro – símbolo de riqueza, de durabilidade, de perenidade e de nobreza ao longo dos milênios. Ainda hoje é usado como valor de reserva, pois é conversível em qualquer país, em qualquer lugar do mundo. São inúmeras suas aplicações, desde a confecção de jóias, utensílios domésticos, diversos objetos até peças para a eletrônica.

Mas, além do seu valor material, o nobre metal possui características medicinais. Já foi muito usado pelos antigos para tratar doenças. É usado ainda para cessar dor de artrite, por meio de injeções de sais de ouro.

Também está sendo usado para aliviar o vício do álcool e drogas.

Diversos povos com cultura milenar, como os chineses, consideram o ouro pelo seu valor terapêutico. Padres ingeriam alimentos e líquidos em recipientes de ouro, o que poderia supor que este fato os levaria a ser as maiores cabeças pensantes na Idade Média. Aliás, nobres praticavam sua alimentação dessa forma também.

A Humanidade desenvolveu muitas saídas para os seus problemas de forma instintiva, surgindo o conceito empirista do desenvolvimento científico, ou seja, aplicação intuitiva de soluções e, sobre erros e acertos construiu-se o processo evolutivo. Atualmente, a ciência possui muito mais recursos para compreender alguns dos fatos que foram intrigantes no passado.

O uso do ouro tem descrições, como até mesmo na Bíblia, de uso como elemento voltado para o combate à ansiedade e impaciência. Na Idade Média, o ouro era usado por suas propriedades restaurativas na saúde. A alquimia – a química de medicamentos baseada na escola iatroquímica, fundada por Paracelsius, precursora da farmacologia moderna, tinha em seu bojo, desenvolvimento de medicamentos minerais metálicos, incluindo o ouro, com curas excepcionais, segundo relatos históricos.

Logo, a alquimia alastrou-se pelo mundo da época, passando pela Arábia, Índia, e China, onde, até hoje, o ouro é usado da mesma forma. Aliás, os camponeses cozinham arroz com uma moeda de ouro, com a finalidade de restabelecer o teor de ouro de seus corpos.

A partir do início do século passado, médicos europeus experimentaram implantar um pedaço de ouro sob a pele de um paciente com problemas de articulação no joelho. Os resultados com relação à diminuição das dores foram muito animadores, e, em alguns casos, ocorreu a cessação total das dores.

Desde 1885, nos Estados Unidos, percebeu-se também, que o ouro propiciou melhorias no coração e na circulação. Além disso, foi usado para a cura de dipsomania – desejo ingovernável para ingestão de bebida alcoólica.

Há relatos de usos considerados tradicionais para tratamento de úlceras de pele, queimaduras, certas operações de terminal de nervos e vários tipos de perfurações. Problemas com coordenação glandular e nervosa, também têm sido tratados com o uso de ouro, pois este ajuda a rejuvenescê-las. O climatério, portanto, pode ser minimizado ou mesmo eliminado, quanto aos seus sintomas de flash com calor, além de problemas com suor ou frio exagerados ou despropositados.

Ao se usar ouro na forma de colóides, em associação com a prata, disposta da mesma forma, obtém-se um segundo sistema imunológico, evitando desgaste do corpo no combate de doenças e invasores, promovendo maior vitalidade e longevidade.

Em 1965 a 19a edição do livro (best seller) intitulado Matéria Médica, dos autores Dr. Nilo Cairo e Dr. A. Brinckmann, listou o ouro como o número 1 na cura contra obesidade.

Em 1935 de julho, foi publicado um artigo no periódico médico Clinic, Medicine & Surgery, intitulado “Ouro coloidal em Câncer Inoperável” de autoria do Dr. Edward H. Ochsner, M.D, B.S, F.A.C.S, cirurgião consultor do Hospital de Augustana, Chicago, EUA. Sua declaração: ” quando a condição é desesperada, o Ouro Coloidal prolonga a vida e faz a vida muito mais suportável, tanto para o paciente quanto para as pessoas que lidam com eles, porque encurta o período de cachexia terminal (desperdício físico geral e desnutrição normalmente associados com doença crônica) e grandemente reduz a dor e o desconforto e a necessidade de opiáceos (narcóticos) em uma maioria de instâncias”.

 

Como usar
O tempo de produção do ouro coloidal em nossos geradores é de no mínimo 2 horas mas, pode-se deixar até mais que o dobro deste tempo. Quanto mais tempo, melhor sua concentração.
O desgaste dos eletrodos de ouro é muito lento, podendo levar até 7 anos conforme sua utilização e quantidade produzida ao contrário dos eletrodos de prata onde seu desgaste é muito mais rápido.
Use água mineral, observando sempre a Condutividade Elétrica que deve estar abaixo de 100 us (esta informação consta no rótulo de todas as águas). Evite que o líquido apanhe luz, portanto, guarde-o em local escuro e seco, e nunca próximos de equipamentos eletro-eletrônicos. Não guarde em geladeira. O ouro coloidal pode ser produzido com os mesmos aparelhos AISG 1100, AISG1900 e DISG 2600, bastando que se adquiram os eletrodos de ouro à parte na nossa loja. Mais informações mande um whatsApp para nós, 41 99599-6027.

A dosagem normal é de 10 a 20 ml ao dia da solução pura.
Em alguns casos pode ocorrer diarréia quando se inicia o tratamento mas não se preocupe.

As hastes de ouro devem ser adquiridas separadamente. Elas são fabricadas em ouro 24k com 99,99% de pureza, por isso, um certo cuidado na manipulação das hastes, bastante maleáveis, é recomendável.

Experiências
Avaliação do efeito do ouro metálico coloidal em funções cognitivas foi feita uma bateria de testes, considerando a “Escala revisada de Inteligência de Wechsler” com 5 pessoas com idades de 15 a 45 anos. Os testes indicaram um aumento de 20% no Q.I. (Quociente de Inteligência), persistindo tais efeitos após 1 a 2 meses, em 3 dessas pessoas sem tomar mais ouro coloidal.

Geralmente é aceito que a inteligência e funções cognitivas são a soma de muitas capacidades mentais. Por isto, testes foram desenvolvidos para avaliar o quociente de inteligência (Q.I.) incluindo diversos sub-testes para avaliar outras dimensões da inteligência.

Na extensa literatura disponível em diversos estudos figurando em sites em vários países, especialmente nos Estados Unidos, existem muitas experiÊncias e relatos de cientistas, médicos, pedagogos e outros estudiosos, cuja bibliografia pode ser consultada através das indicações nela expostas.

Desta forma, não nos apresentamos como inventores ou descobridores dessas técnicas mas sim como entusiastas em disponibilizar de maneira mais efetiva, ouro e prata coloidal, seja em frascos para experiências preliminares, ou aparelhos geradores de colóides de prata e ouro, conforme a utilização das hastes respectivas.

O Ouro é um metal precioso que pertence ao grupo de transição I na Tabela Periódica e existe na Natureza e duas formas básicas: ouro metálico e sais de ouro.

Ouro metálico é não-tóxico. É usado extensivamente na odontologia e pode ser disponibilizado na forma coloidal, desde que gerado corretamente, como suplemento nutricional para consumo humano.

Relatos pessoais e de relacionados ligados diretamente aos diretores de nossa empresa, além deles próprios, atestam os benefícios obtidos com a utilização de ouro coloidal, tais como, aumento do desempenho mental, memória, aumento da serenidade e de um estado de bom humor com melhor controle das tensões e emoções e maior vitalidade. Há uma senhora que relatou, que em apenas 4 dias de utilização de ouro coloidal combinado com prata coloidal, o desapareceram as terríveis dores de artrite e atrose, diminuíram os inchaços, amenizaram-se os distúrbios da tireóide, diminuiu o cansaço, desapareceram outros problemas localizados (fruto da idade), além de sentir que está perdendo peso – esta percepção, já com a utilização em três semanas.

Os resultados obviamente variam de pessoa para pessoa. O incremento do Q.I., por exemplo, poderá, segundo a literatura, se fazer sentir de poucos dias até 8-9 meses de ingestão diária de ouro coloidal.

Tendo em vista sua atuação na área cerebral, influindo, portanto, nos aspectos emocionais e racionais, melhorando as conexões neurais, resultando em um melhor funcionamento das sinapses e formação de novas cadeias neurais, o ouro coloidal pode tomar o lugar das drogas psicotrópicas e outros anti-depressivos. A literatura – e esperamos que em breve, relatos pessoais no Brasil – demonstra que tratamento com ouro coloidal influenciou decisivamente também em viciados em drogas pesadas como cocaína e heroína. Evidentemente, considerando esse espectro e poder de atuação, o ouro coloidal pode ser utilizado com sucesso, no auxílio para o abandono do vício do fumo, bebida, compulsão alimentar e jogo, agindo como coadjuvante no processo neuro-cognitivo das decisões pessoais.

Ficaremos honrados com a narrativa de seu caso e como o ouro coloidal Acquaouro agiu. Mande seu testemunho.

Seja disciplinado(a) na utilização da solução.

Lembre-se: alimentação e exercícios influenciam sobremaneira sobre sua saúde.

Importante: Os relatos sobre os efeitos dos coloides de prata e ouro são baseados em estudos disponíveis na Internet, de diversos pesquisadores de vários países, além de testemunhos pessoais, baseados no livre direito de expressão garantidos pelo Art. 5o da Constituição Federal do Brasil. Este site e seus responsáveis não garantem nenhuma “cura” de quaisquer doenças com o uso das soluções ofertadas ou das produzidas por aparelhos geradores de coloides, tendo em vista a inexistência de reconhecimento médico oficial e/ou de autoridades da Saúde. Os aparelhos são dispensados de registro no Ministério da Saúde, por se enquadrarem, na qualidade de “geradores iônicos” como “produtos correlatos”. Não recomendamos a suspensão de tratamento e acompanhamento médico de qualquer patologia

Conheça nossos geradores em nossa loja.